fbpx

Conectar-se com pensamentos desagradáveis

Nesse artigo o Prof. Tibério Z explica porque conectar-se com pensamentos desagradáveis é uma das melhores práticas de atenção plena.

Uma pratica necessária para a Atenção Plena é nos conectarmos com nossos pensamentos desagradáveis. Imagino que esse tópico seja uma surpresa para a maioria das pessoas, pois devem ter uma visão romântica da meditação.

Inscreva-se para receber artigos toda semana

Meditação é dolorosa

Só que a meditação pode ser um processo incrivelmente doloroso, inclusive se esse for o seu caso, recomendo procurar um instrutor qualificado para continuar meditando. Porque a meditação traz tudo que está no inconsciente para o consciente, e isso pode ser muito desconfortável.

Por isso, não é incomum as pessoas chorarem, ficarem tristes ou com raiva, além de nutrirem outros sentimentos densos que vêm à tona depois de meditar. Isso porque, quando silenciamos o ego, resta o presente e, então, o que está guardado pode emergir.

Não sabemos trabalhar nossos sentimentos

E isso acontece porque não fomos ensinados desde criança a trabalhar nossos sentimentos, a compreendê-los. Fomos ensinados a guardar os sentimentos, e não a demonstrá-los, como se manifestá-los fosse um indicativo de fraqueza ou fracasso.

A questão é que esses sentimentos vão se acumulando no nosso inconsciente e seguem tomando conta do nosso ser, influenciando nossas ações e, em algum momento, podem se tornar uma depressão.

Pensem na carga emocional de anos e anos de emoções densas acumuladas. Por isso, a depressão não aparece do dia para a noite, são anos reprimindo diversos sentimentos, como a raiva, a mágoa e o ódio.

E, quando voltamos para o presente, esses sentimentos que estavam represados podem aparecer. Porém, não devemos nos culpar pelos sentimentos que surgirem, e sim aceitarmos nossa humanidade e a existência de emoções desafiadoras em nós.

Precisamos aceitar que as dores não irão sumir e apenas aprender a conviver com elas. Esqueçam o papo de não sentir dor, carência, perdas, saudades e coisas assim. Somos humanos, e humanos sentem.

Compreendendo o que sentimos

Mas ainda que não possamos fugir por muito tempo das emoções densas, podemos encontrar formas de fazê-las doer menos. E fazemos isso compreendendo e aceitando que elas estão ali.

Se sentimos muita raiva, não há nada de mal nisso, precisamos apenas aprender a lidar com essa raiva, sem sufocá-la ou escondê-la. E aí, quando a raiva começar a aparecer, podemos escolher usá-la não para destruir, mas sim para construir algo.

Muitas pessoas não imaginam que podem usar suas emoções densas de um modo positivo, mas elas podem. Por exemplo, um índio que viu o homem branco destruir parte da floresta pode usar sua raiva para matar o homem ou pode usar sua raiva para replantar a floresta.

Outro exemplo, se há alguém tentando nos prejudicar no trabalho, podemos usar nossa raiva para bater na pessoa ou podemos usar essa raiva para estudar, trabalhar e entregar mais no serviço, tornando-nos melhores funcionários.

Então, a questão não é sufocar os pensamentos e sentimentos desagradáveis, mas saber lidar com eles. Isso é necessário porque, do momento em que nascemos, até a nossa morte, vamos sentir emoções “negativas” ou desagradáveis, e fingir que elas não existem não tornará nossa vida melhor.

Observar os sentimentos

Por isso, quando estivermos meditando, praticando a Atenção Plena, virão várias emoções que nem lembrávamos, mas que estavam há anos guardadas dentro de nós. E essa enxurrada de pensamentos e emoções deve ser apenas observada por nós, sem julgamentos.

Quando isso ocorre, finalmente dissolvemos as energias que estavam presas ali e as programações que estavam incrustadas a partir delas. E, então, compreendemos ações que tivemos e que, antes, não faziam sentido.

Por exemplo, durante a meditação surge a lembrança de que com sete anos um amiguinho destruiu nosso brinquedo, o que nos deixou muito chateados. Assim, liberamos essa emoção e entendemos que as atitudes egoístas que tivemos depois vieram porque ficamos com medo que outras pessoas estragassem o que era nosso.

Esse é o processo de autoconhecimento que a meditação promove e que nos leva a uma expansão da consciência. Assim, vamos adquirindo sabedoria sobre nós mesmos e sobre a vida, facilitando nossa jornada aqui.

Copyright do texto © 2022 Tibério Z Dados internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste artigo pode ser reproduzida ou usada de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, inclusive fotocópias, gravações ou sistema de armazenamento em banco de dados, sem permissão por escrito, exceto nos casos de trechos curtos citados em resenhas críticas ou artigos de revistas. (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) DA-2022-022903

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Esse site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse.