fbpx

Dinheiro atrai falsidade

Nesse artigo vamos refletir sobre a crença limitante que o dinheiro atrai falsidade.
Dinheiro atrai falsidade

Essa crença indica que só atraímos amigos falsos quando temos dinheiro. Bom, vamos ser sinceros: amigos de verdade, temos dois, no máximo três. E não porque não existem muitas pessoas boas no mundo, mas sim porque amigo é algo muito íntimo, uma parceria espiritual de outras dimensões.

Inscreva-se para receber artigos toda semana

Claro, amigo é uma coisa, colegas e conhecidos são outra. Agora, se queremos ter amigos igual no Instagram, desculpem, mas estamos nos iludindo. Ter um milhão de amigos, igual diz a música do Roberto Carlos, é inviável.

Mas por trás dessa crença, dessa necessidade de termos tantos amigos, está a nossa carência. Podemos, por exemplo, fazer um churrasco com três amigos que amamos e passar uma tarde gostosa com eles. Ou podemos dar uma festa de arromba para mil pessoas, muitas das quais nunca nem vimos na vida. E aí, o dinheiro que atraiu essas pessoas? Não, nós escolhemos dar uma festa enorme porque queríamos nos sentir amados. Queríamos, no meio da festa, pegar o microfone e ver todo mundo batendo palma, de maneira a nos sentirmos o rei do baile. E, claro, também convidamos algumas pessoas de quem não gostamos para mostrar que vencemos na vida.

Mas seguimos culpando o dinheiro por atrairmos pessoas falsas, não nossa necessidade de autoafirmação e ou nosso desejo por ser o centro das atenções. Desconsideramos que, na verdade, o dinheiro só possibilitou a ampliação do que já havia dentro de nós. Portanto, não foi o dinheiro que atraiu gente falsa, nós que nos colocamos na posição de termos qualquer um por perto só para sermos admirados e amados por todos. Depois, ainda reclamamos quando estamos sem dinheiro e ninguém aparece para nos ver.

Queríamos o quê? Não é óbvio que as pessoas foram à festa só para comer e beber de graça?

Quando convidamos pessoas que mal conhecemos só para fazer número, elas não seguirão nos visitando no dia a dia. Então, para termos alguém ao nosso lado nas celebrações e nos desafios, devemos nutrir a presença dos poucos e bons amigos.

Dinheiro atrai interesseiros

Essa crença é uma continuação da anterior, e postula que dinheiro só atrai gente interesseira. Sempre brinco que cachorros são interesseiros – isso porque sempre estão atrás de comida grátis. Mas, na verdade, todo mundo é interesseiro, principalmente quando se trata de comida.

Se alguém é convidado para uma festa na nossa casa e sabe que terá comida e bebida boa, e de graça, essa pessoa irá. Se fomos nós quem chamamos a pessoa, não faz o menor sentido nos ressentirmos por ela ter ido com base em interesses próprios. Por situação similar passam as pessoas famosas, já que é comum que, nesses casos, muitas pessoas se aproximem para se aproveitarem da fama e do dinheiro desse indivíduo. A questão é que o famoso permite esse tipo de aproximação.

Geralmente, quem gosta de estar cercado de pessoas é porque quer reinar sobre elas, e nenhum rei sobrevive sem súditos. Só que, para ter súditos, é necessário comprá-los, mantê-los. Isso acontece, inclusive, em toda a história da humanidade, pois todo rei se apoia na nobreza e precisa lhe dar dinheiro para ter o seu título sustentado.

Agora, não podemos querer ser “reis” e não sustentarmos a nobreza. Claro, estamos falando do ponto de vista do ego aqui.

Ter pessoas à nossa volta, nos admirando, nos envaidecendo, tem um preço, que é pagar pelo luxo delas. Logo, quem busca isso não pode reclamar que as pessoas são interesseiras, visto que ela própria está buscando essas pessoas por um interesse egóico. E, obviamente, tampouco deveria culpar o dinheiro por isso.

Livros Recomendados:

Copyright do texto © 2022 Tibério Z Dados internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste artigo pode ser reproduzida ou usada de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, inclusive fotocópias, gravações ou sistema de armazenamento em banco de dados, sem permissão por escrito, exceto nos casos de trechos curtos citados em resenhas críticas ou artigos de revistas. (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ISBN: 978-65-00-27681-7

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante:Esse site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse.