fbpx

Eu ofereço mais do que me pagam

ofereço mais do que me pagam

Quando temos a mentalidade de fazer apenas o mínimo possível e dar apenas o básico para o mundo, estamos afastando a prosperidade de nós. E afastamos não somente no sentido espiritual, mas no material também.

Inscreva-se para receber artigos toda semana

Se contratamos um pintor para pintar a nossa casa e ele fez apenas o básico, mas, tempos depois, outro pintor entrega algo além do que pagamos, qual pintor terá mais chance de ser indicado ou recontratado por nós? O segundo pintor, porque, sempre que oferecemos mais do que aquilo pelo que nos pagaram, aumentamos nossas chances de fidelizar o cliente e sermos divulgados por ele. Com o tempo, cresce o número de clientes e o nosso networking.

A mentalidade de devolver o mínimo para o mundo está relacionada ao ego e à sua negação quanto a se colocar no lugar do outro. Mas nos colocarmos no lugar do outro é uma atitude sábia, pois fica mais fácil, dessa forma, lidarmos com as adversidades da vida.

Além disso, não gostamos de receber um serviço mediano, então por que vamos oferecer isso a alguém? Nessa atitude, estamos exigindo o melhor do outro, mas entregando um trabalho medíocre. Percebam como essa é uma atitude egóica, de nos sentirmos mais importantes do que as outras pessoas. Nesse contexto, acreditamos que merecemos tudo de bom na nossa vida, mas, quando é nossa vez de contribuir, não acreditamos que o outro também mereça o melhor. Por isso, não precisamos nem pensar em espiritualidade. Racionalmente, podemos constatar que esse tipo de atitude faz com que as pessoas não nos indiquem ou não voltem a nos contratar.

Então, o primeiro passo da prosperidade é entregar mais do que prometemos. Um exemplo pessoal é que sempre peço pizza em uma pizzaria que, além de muita qualidade, entrega o pedido com um bilhetinho carinhoso, agradecendo a preferência. Porém, se o proprietário passar a diminuir a qualidade dos ingredientes, olhando apenas para seus gastos, e não para os clientes que irão receber a pizza, eu, e acredito que outros, chegaremos à conclusão de que preferimos pagar um pouco mais e comprar do concorrente. Assim, pouco a pouco, os bons clientes vão sumindo, até que o negócio virá à falência, porque ninguém vai querer comer uma pizza ruim. Afinal, o proprietário está recebendo mais do que oferecendo, pensando somente no umbigo dele.

Além disso, a estratégia de diminuir a qualidade para aumentar o lucro nunca dá certo, porque o que gera dinheiro para as empresas são as pessoas. E a maior publicidade que existe é a indicação, sendo que, normalmente, só indicamos coisas boas a quem conhecemos.

Então, o proprietário pode até perder a curto prazo e ter seu lucro diminuído, mas a rede de clientes irá aumentar. Por isso, ter uma atitude egoísta em relação às outras pessoas aumenta a chance de fracasso em um negócio ou no que quer que estejamos fazendo.

Não podemos esquecer que o Divino sempre pensa no coletivo, e é assim a maneira mais próspera de agirmos nos negócios. Podemos nos perguntar: “Se eu estivesse recebendo esse serviço que estou oferecendo, gostaria dele?” e “Se eu fosse o chefe, estaria feliz com meu serviço?”. Se as respostas foram negativas para nós, não podemos esperar que, para os outros, elas sejam positivas. E, repito, dinheiro é apenas uma consequência de um conjunto de boas atitudes.

São exemplos de boas atitudes ter metas e propósitos bem definidos, crenças limitantes bem trabalhadas e uma visão mais ampla e consciente em relação ao mundo. Sei que nos ensinaram que precisamos fazer exatamente o contrário de pensar no coletivo para sermos bem-sucedidos. Ensinaram-nos o darwinismo social, no qual o ambiente é hostil e os mais espertos vencem.

Mas o mercado não funciona assim, pois, quando oferecemos mais do que o mínimo e prestamos um bom serviço, isto é, ofertamos algo que atenda realmente uma necessidade alheia, estamos agregando valor ao nosso trabalho. Por sua vez, quando oferecemos apenas o básico, acabamos perdendo clientes e networking. Assim, o negócio não vai para frente e, apesar do modo material de trabalho não ter sido efetivo, muitas vezes culpamos o espiritual por isso.

Então, devemos nos colocar no lugar do outro e perceber se ficaríamos felizes recebendo o serviço que oferecemos. Quando olhamos apenas o dinheiro, estamos eliminando as pessoas da conta, e o Divino nunca elimina as pessoas.

Imaginem se todas as pessoas dessem sempre o seu melhor para o outro. Com 8 bilhões de pessoas no planeta Terra, onde não estaríamos? Em um altíssimo nível de resolução de problemas.

Mas quando olhamos apenas o nosso umbigo, tudo trava. E aí podemos entrar na questão energética e vibracional. Isso porque, se estamos emitindo uma frequência de egoísmo, vamos atrair o mesmo para nós.

Assim, aparecem os clientes-confusão, clientes que reclamam, clientes que querem dar golpes, clientes que querem comer até explodir para fazer valer o valor do rodízio, porque é isso que estamos emitindo.

Lembrem-se de que tudo no universo é vibração. Se estamos oferecendo porcaria, recebemos porcaria. Ao passo que, se fazemos o melhor dentro das nossas possibilidades, nosso negócio prospera.

Se a parte financeira ainda está apertada, oferecemos um bom atendimento, um bilhetinho, uma gentileza. Por exemplo, quem atende em terapia holística pode oferecer um chazinho na sala de espera, pois, assim, o cliente se sente acolhido. Outro ponto: se estamos com a agenda livre, podemos estender o atendimento de um cliente que está precisando de mais atenção. Não importa que ele tenha pagado por meia hora, afinal, é um ser humano na nossa frente precisando de ajuda.

Podemos lembrar, aqui, de outro ensinamento de Jesus: amar ao próximo como a si mesmo. E amar ao próximo como a si mesmo é perceber e ter empatia com a necessidade alheia, dar nosso melhor ao outro em vez de sempre querer o melhor só para si.

Livros Recomendados:

Copyright do texto © 2022 Tibério Z Dados internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste artigo pode ser reproduzida ou usada de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, inclusive fotocópias, gravações ou sistema de armazenamento em banco de dados, sem permissão por escrito, exceto nos casos de trechos curtos citados em resenhas críticas ou artigos de revistas. (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ISBN: 978-65-00-27681-7

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante:Esse site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse.