fbpx

Julgamentos

Nesse artigo vamos refletir sobre um conceito fundamental da Atenção Plena que são os julgamentos e o não julgar.
julgamentos

A definição de Atenção Plena é estar focado no momento presente sem julgamentos, porém algumas pessoas só observam a parte de “estar focado no momento presente” e se esquecem do “sem julgamentos”.

No entanto, a verdade é que não existe Atenção Plena sem a prática do não julgamento, e vou explicar o porquê.

Inscreva-se para receber artigos toda semana

História dos Julgamentos

Estamos em um processo de julgamento de tudo e todos constantemente, e esse processo vem da Pré-História.

O homem, na Pré-História, precisava julgar as situações para poder decidir se eram seguras ou perigosas. Por isso, o julgamento é uma característica primitiva do nosso desenvolvimento como um corpo físico. Isso é algo normal.

Mas, em nossa sociedade moderna, esse julgamento saiu do controle. Não conseguimos observar algo sem julgar esse elemento como bonito ou feio, salgado ou doce, legal ou chato, bom ou ruim, e o pior de tudo é que fazemos isso o tempo todo.

Por exemplo, quando conversamos com alguém, mas não prestamos atenção no que a pessoa está dizendo, é porque estamos julgando-a mentalmente. Enquanto a pessoa fala, pensamos: “Essa roupa é muito chamativa, o cabelo está mal cuidado, essa gíria nem se usa mais…”.

Julgamentos afastam a realidade

Assim, não estamos presentes no momento porque a mente está em um processo de julgamento totalmente afastado da realidade. E nem estamos tendo uma interação verdadeira, porque isso só ocorre quando desligamos o julgamento e prestamos atenção no que a pessoa está falando.

Porém, na maioria das vezes que interagimos com alguém, não estamos prestando atenção no que a pessoa está falando, e sim julgando a pessoa ou o seu discurso.

Com base nesse julgamento, tomamos decisões como nos afastar da pessoa ou não confiar nela, só que nem conversamos com a pessoa direito. Apenas pegamos uma palavra que ela falou, a julgamos, a sentenciamos e, então, decidimos dela nos afastar. Assim, as relações começam a ficar superficiais em nossa vida.

Ter presença

Todos que encontraram o Dalai Lama dizem que nunca se sentiram tão acolhidos por alguém quanto por ele. Mas o que o Dalai Lama faz? Nada de especial, ele simplesmente presta atenção, de verdade, na pessoa.

Para a outra pessoa que está se comunicando com ele, isso traz uma sensação de plenitude, de aceitação. E as interações verdadeiras da vida, com tudo, desde alimentos até pessoas ou situações, vêm do não julgamento.

Então, se abrimos mão de julgar o outro, possibilitamos trocar experiências entre os dois mundos, enriquecendo nossas vidas. Do contrário, nossa existência vai ficando cada vez mais superficial, baseada em imagens mentais e ideias pré-concebidas.

O não julgamento

Quando falamos de julgamentos internos, isso tem ainda mais a ver com a Atenção Plena. Isso porque, quando ainda não desenvolvemos o não julgamento, identificamo-nos com os pensamentos do passado que nos geram culpa.

Se estamos meditando e vem um pensamento sobre quando tínhamos 22 anos e fizemos algo terrível para alguém (de acordo com o nosso ponto de vista), em vez de apenas observarmos esse pensamento, julgamos a nós mesmos por ele cada.

Mas o fundamento da Atenção Plena é: “Eu não sou meus pensamentos, eu sou o Observador dos pensamentos”. Então, se estamos meditando e surge essa imagem do passado – o que é um processo natural –, devemos apenas observá-la.

Se julgarmos essa imagem, vamos nos identificar com ela. E, caso isso ocorra, estamos saindo da Atenção Plena e passando para uma rememoração do passado, que quase sempre é somente um meio para a autopunição.

Por isso, o autojulgamento nos é tão prejudicial. Porque, se fizemos algo no passado que hoje consideramos negativo, só temos essa consciência hoje porque acumulamos muita experiência sobre isso antes.

Não podemos julgar quem éramos pela consciência de hoje. Afinal, só entendemos profundamente nossas ações porque vimos os resultados e os impactos delas em nossa vida e na vida de outras pessoas.

Antes disso, não tínhamos como saber à qual resultado aquele caminho levava. Por isso, o autojulgamento é algo absurdo, porque nos julgamos por algo que não sabíamos e que, se não tivéssemos feito, não poderíamos aprender.

Claro, depois que observamos as consequências das nossas ações, decidimos se continuamos fazendo isso ou não, mesmo que seja algo que nos cause energias baixas e sentimentos negativos pois temos nosso livre-arbítrio.

Auto julgamento

Mas esse tipo de julgamento de decidir continuar fazendo algo ou não é diferente do autojulgamento e da autopunição. É positivo decidirmos continuar tendo determinada atitude ou não; porém, ficar se julgando o resto da vida só dificulta nosso caminho.

Observem como queremos ser os juízes e os executores da sentença para nós mesmos. Julgamos a nós mesmos por algo que fizemos de negativo para alguém, colocamo-nos em uma cela que se chama culpa, jogamos a chave fora e passamos o resto da vida presos.

Só que não ganhamos absolutamente nada com isso, porque autopunição não é expansão da consciência. Expansão da consciência é compreendermos realmente a profundidade das nossas ações e vivermos de modo coerente com essa compreensão.

Copyright do texto © 2022 Tibério Z Dados internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste artigo pode ser reproduzida ou usada de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, inclusive fotocópias, gravações ou sistema de armazenamento em banco de dados, sem permissão por escrito, exceto nos casos de trechos curtos citados em resenhas críticas ou artigos de revistas. (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) DA-2022-022903

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Esse site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse.