fbpx

Mente de Principiante

Nesse artigo vamos refletir sobre um conceito fundamental da Atenção Plena que é treinar a mente de principiante.
mente de principiante

O primeiro conceito fundamental para praticarmos Atenção Plena é a mente de principiante. Isso significa, basicamente, que devemos manter a mente aberta e disposta a aprender coisas novas. Devemos estar sempre atentos ao presente, sem julgamentos ou expectativas. Apenas observando e aceitando o que está acontecendo.

Este é um conceito importante, pois muitas vezes ficamos presos em nossos hábitos e rotinas, deixando de ver as coisas como elas realmente são. Quando mantemos a mente de principiante, estamos sempre dispostos a aprender e ver as coisas com novos olhos.

Isso nos permite ter mais flexibilidade na forma como enxergamos o mundo e também nos dá mais clareza mental para lidar com as situações do dia a dia.

Inscreva-se para receber artigos toda semana

A criança e a mente de principiante

Até uma certa idade, por volta dos doze anos, estamos experimentando o mundo, testando formas, cores, sons, sabores, sensações, entre outras coisas. Mas, depois dessa fase, o cérebro pega tudo o que vivemos e coloca em caixinhas.

A partir disso, passamos a acreditar que já sabemos tudo sobre a realidade. Por exemplo, quando olhamos uma cadeira, independentemente do formato dela, nosso cérebro já a identifica como uma cadeira.

Só que nem todas as cadeiras são iguais. Ainda assim, o cérebro reconhece todas como cadeiras porque associou esse objeto, com quatro apoios no chão e um apoio nas costas, sobre o qual nos sentamos, como cadeira. Por isso, todas as cadeiras do mundo, sejam quais forem, são cadeiras, e não merecem muita observação.

A mesma coisa fazemos, por exemplo, com árvores. Independentemente do seu formato ou da sua espécie, nós mal as olhamos e as categorizamos apenas como árvores.

Generalização da vida

O problema é que fazemos esse processo de forma generalizada. Com isso, a vida vai ficando sem graça. Todas as árvores passam a ser apenas uma árvore; todas as cadeiras são apenas uma cadeira.

Isso ocorre, inclusive, com pessoas, pois as catalogamos em nossa mente de acordo com os estereótipos que criamos para elas: “A pessoa A é assim, a pessoa B é assado, a pessoa C é desse jeito”.

Dessa forma, vamos catalogando o mundo e, depois de uma certa idade, em torno dos trinta anos, ou até menos, a vida fica completamente sem graça, porque temos a falsa impressão de que sabemos tudo sobre as pessoas, sobre o mundo e sobre a vida.

A Atenção Plena nos ensina que precisamos de uma mente de principiante para observarmos o mundo, pois uma árvore nunca é igual a outra. Mas para compreendermos que elas não são iguais, temos que observá-las individualmente.

Por exemplo, se estamos indo para o trabalho a pé e atuamos no modo inconsciente, vamos passando pela rua apenas catalogando tudo mentalmente: “Isso é uma árvore”, “Isso é uma flor”, “Aquela pessoa é gorda”, “Aquela é magra”, “Aquela está triste”.

Mente de principiante é estar no agora

Enquanto isso, certamente, os pensamentos estão ou no passado ou no futuro. Isso porque o cérebro acredita que olhar ao redor com atenção é perder tempo, pois já conhece todas as coisas e não há nada de novo para aprender com elas.

Por outro lado, se estivermos com Atenção Plena do momento em que saímos de casa até o momento em que chegamos no trabalho, vamos ver milhares de coisas que nunca tínhamos visto antes. É muito comum, por exemplo, uma árvore florir e as pessoas nem perceberem.

Elas não conseguem enxergar, por exemplo, a beleza em uma cadeira com o design diferente ou a beleza de uma obra de arte. Aliás, a arte recria as formas que já conhecemos, e apreciá-la requer uma mente de principiante.

Até mesmo em uma exposição de quadros vemos pessoas passando correndo pelos itens expostos, com a única finalidade de terminar a exposição e poder dizer que nela estiveram. A pressa das pessoas não está em absorver a exposição, mas em concluir a “tarefa”.

Não é sobre ir à exposição, é sobre viver a exposição. A pessoa viveu a exposição? Parou diante de um quadro e realmente viu o quadro? Se é um conhecedor de arte, pode ser ainda pior, pois passa pelos quadros e simplesmente diz: “Ah, esse é um Monet”.

Voltar a olhar como criança

Jesus nos deixou um importante ensinamento sobre isso quando disse que devemos ser como as crianças. Ele não estava nos dizendo para largarmos as nossas responsabilidades e brincarmos o dia inteiro, ele quis dizer que devemos ver a vida com o olhar de uma criança.

Para uma criança, uma pedra, um bicho, uma flor, tudo é uma nova descoberta, e ela realmente observa e absorve tudo. Mas nós, por um processo cerebral de economia de energia, vamos catalogando tudo, colocando os elementos em caixinhas e automatizando o modo como vemos o mundo.

O problema, como vimos, é que a vida vai perdendo a graça e a complexidade. Afinal, se já sabemos como as pessoas são, por que vamos conhecer uma pessoa nova? Se catalogamos alguém como “marrento”, por que vamos nos aproximar dessa pessoa?

E isso vai nos afastando dos indivíduos e nos roubando oportunidades de vivermos novas experiências. É preciso lembrar que esses julgamentos são conclusões que a mente tira com base em estereótipos, mas as pessoas e as situações são mais complexas do que isso.

Um rio nunca é o mesmo

Voltando ao exemplo da árvore, percebam que, além de nenhuma árvore ser igual à outra, a cada dia cada uma delas está diferente, seja porque algumas folhas caem ou porque algo brota de uma delas em algum momento.

Em relação aos animais, observem o quão exóticos eles são. Vemos as moscas da maneira mais fria possível, mas percebam a grandiosidade da criação: uma mosca é um ser que voa. O homem, para voar, precisa de muita tecnologia e de muito dinheiro.

Então, ter a mente de principiante é refletirmos e observarmos todas as maravilhas da vida. É sobre parar por alguns momentos do dia e observar realmente o que nos cerca.

Atenção Plena e mente de principiante

Existe outro ponto fundamental para nós quanto ao exercício da mente de principiante: trata-se de não começarmos uma atividade – no nosso caso, a Atenção Plena –, já cheios de expectativas e pré-requisitos na mente, como querer ficar mais calmos ou nos iluminarmos, por exemplo.

Se não, enquanto estivermos meditando, estaremos nos cobrando a fim de que os resultados esperados venham. E, claro, não vivenciamos realmente a meditação dessa forma.

Ter uma mente de principiante é esquecer o que ouvimos falar que a meditação pode trazer e viver o presente. Isso porque, se ficamos esperando viagens nirvânicas e a subida da kundalini, acabamos desistindo por uma frustração desnecessária.

Fazemos isso com tudo na vida, não apenas com meditação. Então, a mente de principiante é necessária para zerarmos tudo o que sabemos e as expectativas que temos a respeito de algo. Assim, sentamo-nos para meditar apenas para meditar. E só.

Isso é entender que não existem recompensas imediatas. Principalmente quando falamos da mente, as recompensas vêm a longo prazo. E o que importa realmente é o momento presente em que estamos meditando.

Acredito que cabe aqui um esclarecimento sobre meditação, Atenção Plena e iluminação espiritual. Algumas pessoas se frustram porque estão meditando por um determinado tempo e não “viraram Buda”.

Mas, vejam, a meditação não nos torna um Buda. O que nos torna um Buda é a expansão da consciência, é conhecimento, é compreender a realidade e, com isso, mudar nossa percepção de mundo.

Treinamento de Atenção Plena

A Atenção Plena é uma ferramenta para a expansão da consciência. Portanto, não é praticando meditação que nos iluminamos; mas, ao praticarmos a Atenção Plena, conhecemo-nos e, ao fazermos isso, temos a oportunidade de mudarmos e nos expandirmos.

Então, quando usamos uma ferramenta de expansão da consciência, devemos fazer isso semexigências. Por exemplo,a Atenção Plena nos diz para observarmos nosso corpo 24 horas por dia, mas se pensarmos no passado ou no futuro, não devemos nos frustrar por isso.

Estamos treinando a Atenção Plena justamente porque precisamos desenvolvê-la, e não porque ela já é perfeita em nós. Surgirão infinitos momentos em que seremos sugados pelos processos habituais da mente e pelo automatismo, e tudo bem! O cérebro precisa de tempo para mudar.

Se persistirmos sem pressa e sem cobranças, certamente chegará o momento em que vamos estar o dia inteiro em Atenção Plena. O paradoxo é justamente o fato de que só chegamos lá estando presentes no agora.

Copyright do texto © 2022 Tibério Z Dados internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste artigo pode ser reproduzida ou usada de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, inclusive fotocópias, gravações ou sistema de armazenamento em banco de dados, sem permissão por escrito, exceto nos casos de trechos curtos citados em resenhas críticas ou artigos de revistas. (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) DA-2022-022903

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Esse site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse.