fbpx

O que é a atenção plena

Nesse artigo vamos refletir sobre o que é atenção plena e como ela é um poderoso instrumento para atingir o equilíbrio e a paz interior.
O que é atenção plena

A atenção plena é uma forma de meditação que se concentra na experiência presente. A atenção plena pode ser praticada em qualquer momento, em qualquer lugar. Tudo o que você precisa é de um pouco de tempo e de um foco para a sua atenção.

A atenção plena não é apenas uma técnica de meditação, mas também uma forma de viver. A atenção plena pode ajudar a reduzir o estresse, a ansiedade e a depressão. Também pode aumentar a sua capacidade de concentração, bem-estar e autocompaixão.

Inscreva-se para receber artigos toda semana

Vamos começar nosso curso de Atenção Plena, ou de Mindfulness, definindo o que é isso. Cada linha de pesquisa tem sua definição, mas, pessoalmente, gosto do que diz o Dr. Jon Kabat-Zinn: “Atenção plena é prestar atenção propositalmente no momento presente sem julgamentos”.

Mais à frente, falaremos de modo específico sobre o Dr. Kabat-Zinn, mas, basicamente, ele foi o responsável por trazer a Atenção Plena para o Ocidente e para o meio acadêmico. Ele começou a pesquisar cientificamente como a Atenção Plena altera o cérebro, os hormônios e o corpo físico.

A partir da frase do Dr. Kabat-Zinn, temos dois caminhos para desenvolver a Atenção Plena. O primeiro é prestarmos atenção propositalmente. Mas isso é mais profundo do que apenas prestar atenção ao pensamento: é observar como os pensamentos e os sentimentos são gerados.

Prestar atenção nos pensamentos todos nós prestamos. Por exemplo, se estamos trabalhando e lembramos de algo que aconteceu no passado, imediatamente começamos a prestar atenção nesse pensamento.

Mas prestar atenção, segundo o conceito de Atenção Plena, é observar como esse pensamento e esse sentimento são gerados em nosso ser. É uma camada de percepção abaixo da que normalmente temos.

O segundo caminho é não julgarmos. Esse passo acredito ser o mais difícil para nós, pois vivemos em uma sociedade que estimula o julgamento, de maneira que estamos acostumados a julgar o tempo todo.

Nossos antepassados desenvolveram o julgamento porque ele é importante em nossa sobrevivência. Precisávamos constantemente julgar se uma situação era perigosa ou não para nos mantermos a salvo.

Essa capacidade de julgamento permitiu que nos perpetuássemos ao longo de milhões de anos, até os dias de hoje. Porém, atualmente, o julgamento está atrapalhando a nossa vida, afinal, constantemente julgamos uns aos outros, as atitudes que tomamos, as aparências que temos – tudo é julgado. Mais do que isso, julgamos principalmente a nós mesmos.

Esses julgamentos são baseados quase sempre em dogmas. Os dogmas são “embutidos” em nós desde que somos pequenos, é um processo social. Assim, crescemos em situações em que sempre precisamos ser “mais” ou “menos” do que os outros.

O próprio sistema escolar favorece essa percepção de inferioridade e superioridade. Se tirávamos notas baixas em matemática e nosso amigo tirava notas altas, então éramos “menos” que ele.      

Mas será que tínhamos aptidão nesta matéria? Podemos ser bons em algo que a sociedade não valoriza… Por exemplo, podemos ser ótimos músicos, mas em matemática termos um desempenho baixo.

Porém, como íamos mal nas provas de matemática na infância, colocaram em nossa cabeça que somos menos inteligentes do que outras pessoas. E aí carregamos esse sentimento de inferioridade por toda a vida.

Tudo isso tem a ver com a Atenção Plena porque, quando um pensamento vem à nossa mente, temos que ficar neutros em relação a ele. Por isso, durante o curso, vamos desprogramando esse conceito do julgamento para liberarmos nossos pensamentos dessa barreira.

Devemos mobilizar em um elemento fundamental para praticarmos a Atenção Plena: a compaixão. Além dela, a autocompaixão é essencial, mesmo que seja mais fácil termos compaixão pelos outros do que por nós mesmos.

Quando não nos permitimos errar, colocamos uma pressão sobre nós que gera estresse e angústia, bem como baixa nossa energia. Porém, quando passamos a ser os observadores dos nossos pensamentos, paramos o autojulgamento e podemos compreender como funcionamos.

Nesse contexto, de compreensão quanto a nós mesmos, saímos da ignorância e do medo, expandimos nossa consciência e temos uma vida mais leve e feliz. E todos sabemos: pessoas felizes querem compartilhar sua felicidade com todos.

Significado da Palavra Atenção Plena

A princípio, é mais correto nos perguntarmos qual é a origem da palavra mindfulness. Isso porque, primeiramente, houve uma tradução do sânscrito para o inglês, a qual originou a palavra mindfulness, e somente depois esse termo passou do inglês para o português, virando, por fim, atenção plena.

Porém, antes de entrarmos na origem da palavra, cabe uma observação: muitas pessoas acham que Buda era chinês, mas, na verdade, ele era indiano. Ele desenvolveu sua filosofia na Índia e a levou, depois, para a China, e só então isso veio a se tornar a religião chamada Budismo.

É preciso pontuar que não era a intenção de Buda criar o Budismo ou qualquer religião. Ele desenvolveu sua filosofia e a compartilhou com outras pessoas para que elas expandissem suas consciências tanto quanto ele expandiu a sua própria consciência.

Retornando ao tema central dessa aula, a tradução de mindfulness, vem da palavra “sati”, um termo budista que surgiu da palavra “satti”, do sânscrito. A palavra “satti” é uma abreviação de “satipatthana”.

“Satipatthana”, por sua vez, é uma palavra constituída de dois elementos: “sarati” e “patthana”. “Sarati” significa claridade mental, atenção ao momento presente, estado de consciência, vigília e diligência.

“Patthana” significa proximidade, estabelecimento firme e estável, aplicação e fundamento. Então, juntando essas duas palavras, nós temos “a intenção de estar no momento presente”.

Percebam que esse é o primeiro elemento da Atenção Plena: querermos estar no momento presente, termos essa intenção. Assim, buscamos treinar nosso cérebro e nossa atenção para estarmos nesse contexto.

O que estou fazendo agora? Como estou sentado, como está a minha coluna, como está o meu pescoço? Qual é a qualidade da minha respiração, qual é o gosto do alimento que coloco na boca, qual é a sensação do toque do abraço de alguém?

Esses são exemplos de questionamentos que, ao serem respondidos, indicam que estamos no momento presente com intenção de estarmos no momento presente. Sei que pode parecer muito difícil alcançar isso, mas é apenas técnica, e, como qualquer outra técnica, pode ser praticada e desenvolvida.

Inclusive, é para isso que vocês estão aqui, para aprender os fundamentos da técnica e praticar, praticar 24 horas por dia. No começo, praticamos por um minuto, depois dois minutos, depois três minutos, até o momento em que essa técnica vai ter se tornado natural em nossa vida. E aí, na realidade, não vamos mais pensar na técnica. É como quando aprendemos a dirigir. No início precisamos prestar atenção em tudo, mas depois se torna algo natural.

Assim, no começo da técnica de Atenção Plena também vamos estar completamente focados em tudo o que fazemos, mas, conforme treinamos nosso cérebro, passa a ser natural estar no momento presente – ainda que sigamos mantendo a intenção.

Livros Recomendados:

Copyright do texto © 2022 Tibério Z Dados internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste artigo pode ser reproduzida ou usada de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, inclusive fotocópias, gravações ou sistema de armazenamento em banco de dados, sem permissão por escrito, exceto nos casos de trechos curtos citados em resenhas críticas ou artigos de revistas. (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ISBN: 978-65-00-27681-7

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante:Esse site faz uso de cookies para melhorar a sua experiência de navegação e recomendar conteúdo de seu interesse.